aqui ou algum lugar

Reflexões de Cotidiano, crônicas sobre os aspectos mais corriqueiros das nossas vidas, do sentido da vida à mobilidade urbana, e tudo mais o que puder fazer aqui ou qualquer lugar melhor. Vamos pensar juntos?!

Turismo de Cotidiano. Um estilo de viajar, a partir de experiências e atenção sobre o dia-a-dia. Conhecer algum lugar além dos principais atrativos turísticos. Por seu sabores, cheiros, costumes e histórias que fazem qualquer local muito especial. Vamos viajar juntos?

Sabático, palavra de origem hebraica que significa repouso, é um período que algumas pessoas decidem tirar para repensar suas carreiras e vidas. Sair da rotina para tomar novos rumos. Conheça como foi a experiência!

Amigos prestativos, da melhor espécie.

20/06/2012

9 Comentários

Acompanhar

“Deixa a colher”. Foi assim que encontrei uma maneira de aprender e decorar como dizer “obrigado/a” em turco teşekkürler. Troque o D pelo T e fala rápido: “Teixaacolher”. Aprender essa palavra foi muito útil, afinal, com um povo acolhedor e prestativo como o turco, repeti teixaacolher muitas vezes e com muito gosto.

A Turquia entrou no roteiro mesmo sem saber bem ao certo o que eu esperava do país. Talvez por ter ouvido sempre falar muito bem do país, como o entusiasmo da Erika falando de Istanbul, ou pelas inúmeras recomendações de Marília, somada a curiosidade sobre o misto de cultura existente no país. Gostaria de conhecer um país diferente e, ao mesmo tempo, por aspecto prático, em 90 dias tinha que sair do Espaço de Shengen na Europa (é gente, quando falamos “Europa” é preciso perguntar de qual Europa você está falando? Continente? Fronteira? União Européia? Zona do Euro? São tantas Europas…).

Decisão feita, passagem comprada. Após Espaço de Shengen, Turquia seria o destino. País extraordinário, diferente e com muitas atrações e curiosidades a explorar. Encontro de Europa e Ásia, o clichê faz jus ao que se pode encontrar no país. Diversidade cultural e intensidade de vida. Porém, o que mais me chamou atenção e que me cativou na Turquia foi mesmo o acolhimento e a prestatividade das pessoas. De maneira geral, como o olhar carinhoso da massagista do banho turco, apesar do seu inglês com no máximo 10 palavras, ou a atenção da atendente da loja de artesanato me ajudando com a pronunciação das minhas pouquíssimas palavras turcas. Ou de maneira específica, principalmente quando se estabelece uma relação de amizade. Tenho a impressão de que, quando se tem um amigo turco, se tem um amigo da melhor espécie.

“Não se preocupe, vou te passar todas as informações que você precisa para visitar a Turquia e espero que você tenha um excelente tempo lá”. A frase do meu novo bom amigo Mustafa é um dos maiores exemplos do acolhimento turco. Helpfull, não consigo encontrar a melhor tradução para representar essa linda característica do povo. São atitudes generosas, como inúmeros exemplos de ajuda, de informação e até oferecer levar seu sapato para consertar para você, acompanhadas de uma energia positiva de acolhimento. “É, eles podem organizar de tudo para você”, concordou comigo a australiana Ninna que está passando uma temporada em Fethyie.

Conheci Mustafa em Paris durante um walking tour e estabelecemos uma relação de amizade. Profissional de TI com vida executiva agitada, estava aproveitando um pouquinho da cidade durante a conexão de seu vôo com destino a Gambia, para mais um projeto profissional. Quando disse que visitaria a Turquia, se encarregou de me passar todo o roteiro e informações do país em um email completíssimo. E depois preciosidades como a visita numa das colinas do lado asiático, com freqüência bem local e vista privilegiada da cidade. Mas não apenas dicas! Me apresentou seu grande amigo Murat, que também virou um bom amigo (que por sua vez é a cara do meu amigo Fabiano no Brasil), e já trabalha há anos com turismo. Ele me ajudou a organizar toda a viagem pelo país (Capadoccia, Nemtur, Fethyie…), me apresentou excelentes programas em Istanbul como lanche típico, fish and bread na Ponte Galata, e baladinha de música gipsy típica, e até me emprestou uma mala para que eu deixasse parte das minhas coisas em Istanbul ao invés de carregar pra lá e pra cá.

Na agência de viagens onde Murat trabalha, conheci a simpaticíssima Ozge, que também me ajudou durante uns bons 20 minutos a decidir o bairro onde me hospedaria na volta dos passeios pela Turquia. Detalhe, ajuda pessoal mesmo, porque já havia optado pelo Airbnb e não haveria hotel ou reserva pela agência envolvida. A partir de então, sempre fui recebida por ela com um grande sorriso, um carinhoso abraço e boas conversas divertidas. Teve também a sensação de coleguismo sincero que senti com a atendente da loja de roupa que, amigavelmente e com aquela certa cumplicidade feminina, me disse que a saia não me caia bem e me ajudou a escolher com opinião verdadeira. Ou como o gerente da pousada em Fethyie que buscou saber na internet como tratar pés inchados ao saber que eu estava com um deles nestas condições e gentilmente preparou uma natural receita de água gelada com soda para mim.

É difícil explicar, é algo na sensação quando se está aqui deste acolhimento carinhoso. Claro, tem seus inconvenientes pelas ruas turísticas de Istambul, acredito que principalmente pela diferença cultural. Ser uma mulher estrangeira, sozinha ou um grupo como foram meus dias na cidade (eu, a australiana Kim e a americana Brandy) às vezes é constrangedor e, de vez em quando, a abordagem masculina é bastante direta e insistente, por assim dizer. Mas não é regra, é exceção. Não sei, como disse uma húngara morando há um ano no país, provavelmente seja também a curiosidade do diferente. Entendam, não é uma abordagem agressiva, apenas bem direta, que eu não estou acostumada. E, mesmo nestas situações, a prestatividade turca aparece. Como o garçon do restaurante que, ao ouvir nossa reclamação sobre o incômodo gerado pelo olhar insistente do cliente da mesa ao lado, conversou com o homem e pediu para que se retirasse.

Qualquer generalização a esse respeito seria tola. Não é assim. Prestatividade, para mim, é o que mais define a Turquia. Mesmo se não falam inglês, te pegam pelo braço e te ajudam a entender o caminho. Ou como o motorista da van pelo passeio por Nemtur, que discutia futebol comigo pausadamente em turco. Confesso que entendi apenas a metade, mas era bem legal sua atenção e animação após o jogo Ucrânia e França ou quando mencionava o jogador brasileiro Alex, importante no futebol turco.

Sempre que encontro alguém que fala que vai ao Brasil, eu digo para que vá e que somos muito hospitaleiros. A partir de agora, sempre que me perguntarem sobre Turquia, acho que falarei a mesma coisa. Somos muito diferentes, definitivamente. Mas existe essa generosidade que aproxima. Obrigada amigos turcos, obrigada Turquia. Teixaacolher!!!

9 Comentários

  • Elaine R. R. Giusti disse:

    Realmente, aqui no Brasil, o povo é muito acolhedor. Infelizmente, o que ainda precisa melhorar é essa tendência de querer levar vantagem em tudo. Com a Rio + 20 Ju, simplesmente os hotéis triplicaram os preços e um prato feito de arroz e strogonofe estava custando R$25,00 e não era restaurante chique. Um roubo!!! Pois é…..Imagina na Copa e nas Olimpíadas……O Brasileiro tem muito o que aprender com o povo Europeu…..Estou adorando seu blog…..Este post ficou ótimo…..As fotos, suas impressòes, dá até pra imaginar você conversando com as pessoas….Adorei!!!!Bjs…..

  • Daniela Reis disse:

    “Teşekkürler” for sharing… Amei ler seu post. Eu também gosto da expressão “Saúde” (em turco) quando vão brindar ou celebrar. Esqueci agora, mas acho que “Obrigado” eu não esquecerei. Beijos.

  • Billy disse:

    I am going to Istanbul in September cant wait. I love reading your posts. I hope your adventure is going very well. Miss you and have fun.

    • Hey Billy, Istanbul is an amazing city, intense and diferent. If you have not yet accomodation I would suggest to try the neighborhood of Cihangir, better than Sultanahmet where is all turistic. I was in both areas and Cihangir is really charming! ;-) I hope you have fun!!! My trip is being amazing, I am really glad I decided doing it! But I always miss Lisbon ;-) I am really happy meeting you here!!!

Deixe seu comentário sobre Amigos prestativos, da melhor espécie.

Faz sentido?! Compartilhe suas ideias também.

Rumo ao minimalismo! Ou nem tanto… coisas desnecessárias que carreguei durante a viagem.

12/12/2012

3 Comentários

Acompanhar

Viajar por mais de seis meses com apenas uma mochila nas costas é um belo desafio. Um dos maiores benefícios também é aprender a viver com pouco. De fato, precisamos de bem menos coisas do que imaginamos, mesmo que, respeitando uma tradicional preocupações femininas, seja fundamental ter diversas opções para não parecer que está sempre com a mesma roupa. Apesar de, quase sempre, usarmos as mesmas peças do armário corriqueiramente. Confesso que logo no começo eu não estava preparada com […]

Leia mais...

Desinformação e despreparo aumenta a confusão.

05/02/2014

1 Comentário

Acompanhar

A visão de quem estava na situação da parada ontem na linha vermelha do metrô em São Paulo. Já era começo da noite quando resolvi voltar para casa, apesar da claridade do pôr-do-sol às 19h20 nesse verão intenso. Depois de uma reunião produtiva na Zona Leste de São Paulo, me dirigi até o metrô para voltar à Zona Oeste da capital paulista onde moro. Ingênua, como uma das maiores defensoras do metrô e adepta convicta do transporte público, até elogiei […]

Leia mais...

Rumo ao minimalismo! Ou nem tanto… coisas desnecessárias que carreguei durante a viagem.

12/12/2012

3 Comentários

Acompanhar

Viajar por mais de seis meses com apenas uma mochila nas costas é um belo desafio. Um dos maiores benefícios também é aprender a viver com pouco. De fato, precisamos de bem menos coisas do que imaginamos, mesmo que, respeitando uma tradicional preocupações femininas, seja fundamental ter diversas opções para não parecer que está sempre com a mesma roupa. Apesar de, quase sempre, usarmos as mesmas peças do armário corriqueiramente. Confesso que logo no começo eu não estava preparada com […]

Leia mais...

Turismo de Cotidiano

22/03/2012

39 Comentários

Acompanhar

Cada um tem um estilo de viajar. Alguns são apaixonados por museus e castelos. Outros fascinados pela gastronomia. Há aqueles que aproveitam mais a noite do que o dia. Além dos muitos brasileiros que de verdade estão enlouquecidos com as compras. Com uma pitada de cada um desses estilos, descobri o meu estilo de viagem (e acredito que inclusive inventei o termo…): turismo de cotidiano. Sabe aquela caminhada despretensiosa por algum bairro, sem exatamente saber qual o destino final, observando […]

Leia mais...

Vegetariana com benefícios / Vegetarian with benefits

23/04/2012

17 Comentários

Acompanhar

A definição não poderia ser melhor e mais engraçada. Afinal, é realmente complicado dizer que você é uma “peixetariana”. Na maioria dos locais é mais fácil dizer que se é vegetariano, ainda mais quando você não sabe a língua. Mas aí alguém oferece uma opção com peixe ou frutos do mar… hummmm. Como eu sempre digo, não como nada que andou ou voou, só o que nadou! A expressão “vegetarian with benefits”, espontaneamente dita por Billy, querido amigo canadense, ainda […]

Leia mais...

Turismo de Cotidiano

22/03/2012

39 Comentários

Acompanhar

Cada um tem um estilo de viajar. Alguns são apaixonados por museus e castelos. Outros fascinados pela gastronomia. Há aqueles que aproveitam mais a noite do que o dia. Além dos muitos brasileiros que de verdade estão enlouquecidos com as compras. Com uma pitada de cada um desses estilos, descobri o meu estilo de viagem (e acredito que inclusive inventei o termo…): turismo de cotidiano. Sabe aquela caminhada despretensiosa por algum bairro, sem exatamente saber qual o destino final, observando […]

Leia mais...

Vegetariana com benefícios / Vegetarian with benefits

23/04/2012

17 Comentários

Acompanhar

A definição não poderia ser melhor e mais engraçada. Afinal, é realmente complicado dizer que você é uma “peixetariana”. Na maioria dos locais é mais fácil dizer que se é vegetariano, ainda mais quando você não sabe a língua. Mas aí alguém oferece uma opção com peixe ou frutos do mar… hummmm. Como eu sempre digo, não como nada que andou ou voou, só o que nadou! A expressão “vegetarian with benefits”, espontaneamente dita por Billy, querido amigo canadense, ainda […]

Leia mais...