aqui ou algum lugar

Reflexões de Cotidiano, crônicas sobre os aspectos mais corriqueiros das nossas vidas, do sentido da vida à mobilidade urbana, e tudo mais o que puder fazer aqui ou qualquer lugar melhor. Vamos pensar juntos?!

Turismo de Cotidiano. Um estilo de viajar, a partir de experiências e atenção sobre o dia-a-dia. Conhecer algum lugar além dos principais atrativos turísticos. Por seu sabores, cheiros, costumes e histórias que fazem qualquer local muito especial. Vamos viajar juntos?

Sabático, palavra de origem hebraica que significa repouso, é um período que algumas pessoas decidem tirar para repensar suas carreiras e vidas. Sair da rotina para tomar novos rumos. Conheça como foi a experiência!

Por que Cotidiano?!

10/04/2014

4 Comentários

Acompanhar

paisagem cotidiano

“Todo dia ela faz tudo sempre igual, me sacode às seis horas da manhã, me sorri um sorriso pontual, e me beija com a boca de hortelã”… Basta falar na palavra “cotidiano” que um ou outro acostumado a musica popular brasileira já começa a cantar a famosa canção de Chico Buarque, clássico desde seu lançamento no início da década de 70.

O conceito de Cotidiano nos remete aos acontecimentos diários, mas também carrega todo o desenvolvimento do ser humano. Como diz a filósofa húngara Agnes Heller, a vida cotidiana é como a vida do homem inteiro, onde cada um, e todos juntos, desenvolvem suas características física, social e psicológica e também exercitam suas habilidades, capacidades e paixões. As escolhas e atitudes diárias frente ao contexto experimentado e vivido.

Afinal, é no cotidiano que a vida realmente acontece. Ainda que tenhamos certa predisposição por concentrar nossa atenção e esforços aos grandes marcos da vida, um ou outro ritual de passagem, é diariamente que construímos aquilo que queremos ser, como indivíduo e como sociedade.

Felicidade é construída no cotidiano. São os pequenos e singelos momentos diários de prazer, e a gratidão pelas oportunidades e experiências. Penso nisso toda vez que vejo alguma foto de alguém que aderiu ao desafio #100happydays. Por sinal, a iniciativa é super bacana, estou bastante inclinada a também aderir. A ideia central é valorizar os momentos diários de felicidade, até mesmo para nos darmos conta de que ela está presente no dia-a-dia. Prestamos tanta atenção aos problemas e desafios, que deixamos a felicidade passar. Dostoievski, em uma de suas célebres frases, talvez uma das minhas favoritas, há séculos já dizia que “o homem apercebe-se apenas das suas tristezas, ele lida com a sua felicidade como algo natural”.

Relacionamentos são construídos no cotidiano. Pode ser morando junto ou separado, casados, namorados ou amigados, trata-se de fazer parte da vida do outro. Muitos dos blogs e sites especializados em relacionamentos falam sobre como a relação é construída no cotidiano mesmo, pela influência de pequenos hábitos como dormir e acordar juntos. Não significa que relacionamentos à distância não possam dar certo, no entanto, é essencial justamente fazer com que o outro faça parte da sua vida cotidiana, dos seus planos e das suas escolhas. Não é à toa que momentos corriqueiros, e até mesmo banais, tem um impacto significativo nas relações, do “juntar as escovas de dente” ao projetar a vida juntos. O blog Dele e Dela  alcançou picos de audiência no ano passado justamente por valorizar os singelos e belos momentos de convivência de um relacionamento. Amar a pessoa quando ela acorda, com a aquela cara amassada, tomar café juntos, cozinhar juntos e essas coisinhas bestas que fazemos todos os dias.

Conhecimento é construído no cotidiano. As grandes ideias e grandes descobertas vieram de informações, análises e interpretações acumuladas durante anos. Não é um curso ou um livro específico que forma aquilo o conhecimento sobre determinado assunto, e sim a soma de diversas experiências no cotidiano. Steven Johnson, pesquisador e escritor sobre a intersecção entre ciência, tecnologia e experiências pessoais, deu um exemplo em sua palestra no TED, Where Good Ideas Come From, que ficou na minha cabeça sobre como aqueles grandes momentos de Eureka são quando nossa mente faz todas as conexões sobre aquilo que, na verdade, nós já sabemos por meio das informações acumuladas durante longos períodos de incubação.

Darwin, até mesmo em sua autobiografia, atribuiu o surgimento da ideia sobre a teoria da seleção natural a um clássico momento de inspiração, quando, de repente, o algoritmo básico da seleção natural meio que surgiu dentro de sua cabeça, enquanto estava lendo teorias econômicas de Malthus. Porém, Darwin mantinha volumosos cadernos de anotações com inúmeras pequenas ideias. Ao consultar todos esses cadernos, o professor Howard Gruber descobriu que Darwin já tinha a teoria da seleção natural completa muitos meses antes de sua alegada epifania. Isso porque, segundo a constatação de Johnson, as grandes ideias muitas vezes já estão lá na sua cabeça, mas de certa forma, você é incapaz de pensar plenamente a respeito, “elas vão ganhando nitidez ao longo de um grande período de tempo”.

Objetivos são conquistados no cotidiano. O atleta que conquista a medalha depois de muito treino. A pessoa que quer emagrecer ou manter uma vida saudável precisa alterar seus hábitos de alimentação e atividade física. A compra de uma casa ou a realização de uma viagem são frutos de poupanças, normalmente, construídas por escolhas diárias de economia. O diploma conquistado após a frequência ativa nas aulas diárias na faculdade. E assim por diante. O best-seller O Poder do Hábito, do repórter investigativo Charles Duhigg, fala muito sobre isso, e não foi coincidência que esteve entre os mais vendidos no ano de seu lançamento.

Cultura é construída no cotidiano. Música, linguagem, hábitos, comida, arte… a cultura de uma comunidade, de um povo ou de um país está justamente naquilo que historicamente e diariamente foi idealizado, realizado e construído. O carnaval, por exemplo, é uma das expressões mais fortes da cultura brasileira, e também do cotidiano. Tanto os blocos de rua, que incorporam o carnaval nas cidades, quanto os grandes desfiles das escolas de samba, idealizados ao longo de todo um ano por pessoas que escolheram fazer parte daquela comunidade e trazer o carnaval como parte integrante de sua vida cotidiana. Vejo isso em pessoas queridas do meu círculo de convívio, como a dentista Aninha com sua campeã Mocidade Alegre, e a paixão dos cidadãos da Vila Madá com a Pérola Negra, como o professor de Educação Física, Caio. A cultura autêntica porque faz parte das nossas vidas, do café com pão de queijo aos grandes desfiles de carnaval na avenida.

Convivência e respeito são construídos no cotidiano. As bases da sociedade estão na vida cotidiana de pessoas que partilham a mesma cidade, o mesmo país e o mesmo planeta. Na ida de milhões de pessoas ao trabalho, em seus carros ou pelo transporte público. Na participação, passiva ou ativa, nas organizações e comunidades. Na tolerância e compreensão das diferenças. Na construção coletiva de valor e soluções compartilhadas. O conceito tão em voga de sustentabilidade, por exemplo, depende das escolhas e atitudes cotidianas de separar o lixo orgânico do reciclável, de usar a água e a energia elétrica com consciência, e assim por diante.

O cotidiano faz uma tremenda diferença na vida individual e coletiva. Podemos pensar nos dias como rotina, numa atitude automática e predestinada de experiências como é a sensação da música do Chico Buarque. Ou podemos escolher viver o cotidiano com atenção e propósito, absorvendo sua beleza, espontaneidade e veracidade a cada dia.

 

“Educar-se é impregnar de sentido cada momento da vida, cada ato cotidiano”. Paulo Freire

 

4 Comentários

  • Roseli Rodrigues disse:

    Muito bom o seu blog Ju, o cotidiano é o mais importante de nossas vidas… o ontem não volta mais ja passou, não podemos fazer nada por ele e o amanhã nem sabemos onde vamos estar…. e se vamos estar….!
    Beijos!!

  • Euripedes disse:

    Muito oportuna sua reflexão, filha minha. E vamos saborear cada instante do nosso cotidiano porque é hoje que importa.! Parabéns.

  • Rachel Veras disse:

    Jujus, amei, muito legal seu blog… achei moderno, chic, simpatico, gostoso e muito maneiro!!! Vou acompanhar tudo…Bjs

Deixe seu comentário sobre Por que Cotidiano?!

Faz sentido?! Compartilhe suas ideias também.

Rumo ao minimalismo! Ou nem tanto… coisas desnecessárias que carreguei durante a viagem.

12/12/2012

3 Comentários

Acompanhar

Viajar por mais de seis meses com apenas uma mochila nas costas é um belo desafio. Um dos maiores benefícios também é aprender a viver com pouco. De fato, precisamos de bem menos coisas do que imaginamos, mesmo que, respeitando uma tradicional preocupações femininas, seja fundamental ter diversas opções para não parecer que está sempre com a mesma roupa. Apesar de, quase sempre, usarmos as mesmas peças do armário corriqueiramente. Confesso que logo no começo eu não estava preparada com […]

Leia mais...

Desinformação e despreparo aumenta a confusão.

05/02/2014

1 Comentário

Acompanhar

A visão de quem estava na situação da parada ontem na linha vermelha do metrô em São Paulo. Já era começo da noite quando resolvi voltar para casa, apesar da claridade do pôr-do-sol às 19h20 nesse verão intenso. Depois de uma reunião produtiva na Zona Leste de São Paulo, me dirigi até o metrô para voltar à Zona Oeste da capital paulista onde moro. Ingênua, como uma das maiores defensoras do metrô e adepta convicta do transporte público, até elogiei […]

Leia mais...

Rumo ao minimalismo! Ou nem tanto… coisas desnecessárias que carreguei durante a viagem.

12/12/2012

3 Comentários

Acompanhar

Viajar por mais de seis meses com apenas uma mochila nas costas é um belo desafio. Um dos maiores benefícios também é aprender a viver com pouco. De fato, precisamos de bem menos coisas do que imaginamos, mesmo que, respeitando uma tradicional preocupações femininas, seja fundamental ter diversas opções para não parecer que está sempre com a mesma roupa. Apesar de, quase sempre, usarmos as mesmas peças do armário corriqueiramente. Confesso que logo no começo eu não estava preparada com […]

Leia mais...

Turismo de Cotidiano

22/03/2012

39 Comentários

Acompanhar

Cada um tem um estilo de viajar. Alguns são apaixonados por museus e castelos. Outros fascinados pela gastronomia. Há aqueles que aproveitam mais a noite do que o dia. Além dos muitos brasileiros que de verdade estão enlouquecidos com as compras. Com uma pitada de cada um desses estilos, descobri o meu estilo de viagem (e acredito que inclusive inventei o termo…): turismo de cotidiano. Sabe aquela caminhada despretensiosa por algum bairro, sem exatamente saber qual o destino final, observando […]

Leia mais...

Vegetariana com benefícios / Vegetarian with benefits

23/04/2012

17 Comentários

Acompanhar

A definição não poderia ser melhor e mais engraçada. Afinal, é realmente complicado dizer que você é uma “peixetariana”. Na maioria dos locais é mais fácil dizer que se é vegetariano, ainda mais quando você não sabe a língua. Mas aí alguém oferece uma opção com peixe ou frutos do mar… hummmm. Como eu sempre digo, não como nada que andou ou voou, só o que nadou! A expressão “vegetarian with benefits”, espontaneamente dita por Billy, querido amigo canadense, ainda […]

Leia mais...

Turismo de Cotidiano

22/03/2012

39 Comentários

Acompanhar

Cada um tem um estilo de viajar. Alguns são apaixonados por museus e castelos. Outros fascinados pela gastronomia. Há aqueles que aproveitam mais a noite do que o dia. Além dos muitos brasileiros que de verdade estão enlouquecidos com as compras. Com uma pitada de cada um desses estilos, descobri o meu estilo de viagem (e acredito que inclusive inventei o termo…): turismo de cotidiano. Sabe aquela caminhada despretensiosa por algum bairro, sem exatamente saber qual o destino final, observando […]

Leia mais...

Vegetariana com benefícios / Vegetarian with benefits

23/04/2012

17 Comentários

Acompanhar

A definição não poderia ser melhor e mais engraçada. Afinal, é realmente complicado dizer que você é uma “peixetariana”. Na maioria dos locais é mais fácil dizer que se é vegetariano, ainda mais quando você não sabe a língua. Mas aí alguém oferece uma opção com peixe ou frutos do mar… hummmm. Como eu sempre digo, não como nada que andou ou voou, só o que nadou! A expressão “vegetarian with benefits”, espontaneamente dita por Billy, querido amigo canadense, ainda […]

Leia mais...